Afinal…o que é o Colesterol?

O colesterol é um esteróide derivado da classe dos lípidos e é fabricado nas próprias células do corpo humano. Apesar de ser produzido em diferentes tipos de células no organismo, são as células do fígado as responsáveis pela produção de um quarto do colesterol obtido por todo o indivíduo.

Até há bem pouco tempo acreditava-se que a alimentação era a principal fonte de obtenção de colesterol. De facto, muitos alimentos são realmente ricos em colesterol, contudo a sua absorção no intestino é muito baixa. Ou seja, o nível de colesterol no sangue não está diretamente correlacionado com a quantidade ingerida através dos alimentos.

Outro dado importante, é que o colesterol é sempre mencionado como um vilão. Contudo, são necessários níveis de colesterol mínimos para que a saúde esteja garantida.

O colesterol é um componente vital ao normal funcionamento do organismo, sendo importante na composição das membranas celulares, lipoproteínas, ácidos biliares e hormonas esteróides.”Clínica 121doc

Mas como funciona a questão de colesterol bom e mau?

O colesterol é uma molécula que não é solúvel em água e, por isso, para que seja possível o seu transporte no sangue é necessário o auxílio de partículas designadas por lipoproteínas.

Lipoproteínas de baixa densidade (LDL)

Quando este é o meio de transporte, em linguagem não científica designa-se por colesterol mau. As LDL são as principais protagonistas na formação de ateroma, isto é, bloqueios nas artérias compostos não só por gordura, mas também cálcio e células inflamatórias e que impedem a normal circulação do sangue. Todos nós temos LDL, mas os seus valores dependem de pessoal para pessoa.

Lipoproteínas de alta densidade (HDL)

Quando o colesterol é transportado por HDL, faz-se referência a colesterol bom. Contrariamente ao LDL, o HDL chega mesmo a impedir a formação de ateroma.

Que fatores afetam os níveis de colesterol no organismo?

Apesar de não existir uma relação direta entre colesterol ingerido e níveis sanguíneos de colesterol, a verdade é que a alimentação influencia fortemente as taxas de LDL. A ingestão de quantidades elevadas de alimentos com alto teor de gordura, afeta diretamente o LDL no sangue, por exemplo.

Outro fator importante relacionado com hábitos inadequados, e tantas vezes desmerecido, é o consumo de álcool.

Por último, devem ser mencionadas causas genéticas ou hereditárias como distúrbios do rim e fígado ou hipercolesterolemia familiar.

Os níveis de colesterol no sangue são, sem sombra de dúvida, muito importantes.
A regra geral diz que quanto maior o nível de colesterol LDL, maiores os riscos de saúde global do paciente. A questão é que cada doente é um caso e a avaliação dos níveis de LDL de forma isolada por encaminhar a erros de análise. O risco de doença cardiovascular global está relacionado, por exemplo, às taxas de HDL. Outros fatores de risco como tabagismo, obesidade, dietas ricas em sal, hipertensão, diabetes, altos níveis de triglicéridos são causas a ser consideradas com muita atenção.

O meus níveis de LDL estão altos. O que fazer?

O primeiro passo está dado: consultou um médico e fez exames. Agora é começar a tomar medidas que façam os valores obtidos regredirem. Neste processo, a alimentação é essencial para obter resultados: poucas gorduras, muitos legumes e vegetais, carnes brancas e frutas são alimentos a dar prioridade.

Seguidamente, o melhor será seguir os conselhos do seu médico e tomar uma medicação adequada que ajude a controlar o problema. A boa noticia é: está no bom caminho!

Referências:

Esta entrada foi publicada em Colesterol. ligação permanente.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *